0
array(2) { ["page"]=> string(7) "noticia" ["nome"]=> string(46) "armazenagem-na-fazenda-reforca-a-produtividade" } armazenagem-na-fazenda-reforca-a-produtividade
PÁGINA INICIAL / ELO / Armazenagem na fazenda reforça a produtividade

Armazenagem na fazenda reforça a produtividade

Armazenagem na fazenda reforça a produtividade

No Piauí, produtor investe em tecnologia para negociar o grão no melhor momento do mercado

 

Uma nova fronteira agrícola: com esse objetivo em mente, muitos agricultores partem de suas regiões de origem para expandir os negócios. Foi assim também com a família Fritzen, que começou a migrar do Rio Grande do Sul para o Piauí em 2002.

 

Darsi Fritzen, de 67 anos, e os filhos, Leivandro (42), Janailton (40) e Fernando (32) tocam a Fazenda Alvorada, na cidade de Gilbués, no Sul do Piauí, acreditando na tecnologia como aliada. “O que você imaginar em termos de tecnologia, nós usamos”, confirma Leivandro, o filho que cuida da área de grãos e o administrativo junto com o pai.

 

Na fazenda, colheitadeiras com sensores fazem o mapa da produtividade, o agrônomo cruza os dados com informações de fertilidade das áreas, determinando a população de sementes e os insumos a serem aplicados, tudo graças à tecnologia.

 

O mais recente investimento da família é uma estrutura completa para armazenagem de grãos da GSI na propriedade. Quando pronta, a planta vai receber 42 mil toneladas de grãos. A obra contempla cinco silos para 130 mil sacas cada, moegas, silo pulmão, fornalha e secador com fluxo de 200 ton/h.

 

Com um volume anual de 1,2 milhão sacas de milho e 1,2 milhão de soja, a Fazenda Alvorada conta com 23.200 hectares, sendo 18 mil destinados à soja e os outros 5,2 mil, para o milho. A soja é exportada via porto de São Luís, no Maranhão, e o milho abastece o mercado interno.

 

TRAJETÓRIA

O negócio dos Fritzen começou no Noroeste do Rio Grande do Sul, com o avô, onde plantavam soja e milho e tinham criação de suínos. A partir de 2002, deram início à migração para o Piauí, depois que Leivandro e a esposa rodaram o Nordeste procurando novas fronteiras agrícolas. Entre 2002 e 2006, a família foi vendendo as áreas no RS e comprando terras no Piauí, até transferirem completamente o negócio da família para a região.

 

Em 2002, Leivandro plantou 500 hectares de soja. Em 2003, os irmãos subiram para ajudar. O pai, Darsi, foi em definitivo em 2006, investindo tudo na região. Hoje, além dos grãos, a família também trabalha com pecuária, tendo 8 mil cabeças de gado, e mantém ainda uma transportadora para escoar a própria produção.

 

Cada filho cuida de um segmento do grupo, contando também com o apoio das esposas no negócio familiar. “A grande jogada da agricultura é ter persistência. O pai passou por muitos apertos durante a vida. O agronegócio tem altos e baixos. Muitos desistem. Ele não.”

 

Leivandro destaca sua expectativa com a nova estrutura. “O grande foco da armazenagem é ter o grão em casa e vender quando achar necessário.” Desde 2008, os Fritzen já investiam em armazenagem na fazenda, com silos-bolsa. Ele conta que precisavam vender o grão antecipadamente, para colher e entregar, pois no silo-bolsa podiam guardar por no máximo seis meses. “Com a nova estrutura de armazenagem, teremos mais tempo para negociar o grão e flexibilidade para vender o ano todo.” 

 

Compartilhe:


Cadastre o seu e-mail e receba
novidades e informativos