0
PÁGINA INICIAL / ELO / Ed. 37 | Avicultura | Dieta é desafio para criadores

Ed. 37 | Avicultura | Dieta é desafio para criadores

Qualidade nutricional interfere no potencial genético das aves



A nutrição representa um papel importante na produtividade de qualquer plantel. Por representar um custo significativo na composição da produção, a alimentação na criação de poedeiras deve estar adequada para os objetivos, seja produção de ovos comerciais, seja de ovos férteis.



A principal diferença entre a dieta de aves de postura comercial e de matrizes pesadas (produção de ovos férteis) é que, além de se preocupar com a qualidade do ovo, o produtor tem que se preocupar em transferir nutrientes para que a ave tenha uma boa produtividade (quantidade) e para sua progênie (para que ela forme um pintinho de qualidade). Segundo Vitor Hugo Brandalize, veterinário e supervisor técnico internacional da Cobb-Vantress, é possível identificar essa qualidade no pintinho aos sete dias de idade. “Nessa fase, ele deve atingir seu potencial genético máximo”, afirma.



Brandalize destaca que o metabolismo das reprodutoras modernas tem condições de priorizar a transferência de nutrientes para o ovo, através do seu tecido muscular. “Durante a dieta da reprodutora, é muito importante que ela tenha um bom desenvolvimento do tecido muscular, especialmente do peito, pois será a sua principal reserva de nutrientes, principalmente pensando em proteínas e aminoácidos, para manter essa reprodutora até umas 50 semanas de idade”. Depois das 50 semanas, a ave passa a usar muito mais nutrientes da dieta para o ovo (e menos da transferência do tecido muscular para esse ovo).



Os principais ingredientes da dieta são milho, farelo de soja, aminoácidos e fontes de nutrientes minerais e vitamínicos. Cálcio e fósforo são os dois minerais mais importantes na composição da nutrição da ave, pois influenciam diretamente na formação da casca. “Esses minerais reduzem ao máximo as microfissuras na casca, as quais comprometeriam a qualidade do ovo”.



Como a maior parte das empresas está automatizando a coleta de ovos – cerca de 60% do mercado já conta com ninho automático –, a resistência da casca é fundamental. De acordo com Brandalize, uma forma eficiente de monitorar a qualidade da casca é por meio da gravidade específica (medindo a densidade da casca – que deve ser entre 1082 e 1085).



“Pensando em qualidade de casca, temos que avaliar as fontes de cálcio, fósforo e vitamina D. Quando falamos em fonte de cálcio, é muito importante analisar a granulometria do calcário utilizado, o ideal é que parte desse calcário apresente partículas maiores. Isso permitirá que essas partículas sejam degradadas lentamente, mantendo assim, a absorção de cálcio durante os períodos que a ave mais precisará (durante a noite)”, ressalta o especialista.



Já na postura comercial, que também precisa ter boa produtividade (quantidade de ovos), a casca do ovo pode ser vista como a embalagem que envolve a gema e o albume, mas de forma alguma pode ser encarada como se fosse um processo industrial. A má qualidade da casca resulta em perdas significativas para o avicultor.



Áureo Tanaka, veterinário e consultor com atuação em Bastos (Capital do Ovo), SP, ressalta a importância de oferecer à ave uma ração balanceada, com níveis de proteína, energia, cálcio e fósforo adequados. “É importante lembrar que o ovo é o segundo alimento mais equilibrado (depois do leite materno), por isso a importância de preservar a qualidade do conteúdo dessa casca”, destaca Tanaka. 



Conforme o médico veterinário, a nutrição das aves de postura comercial geralmente é muito parecida com a de ovos férteis, pois o objetivo é o mesmo – a qualidade final do produto para o consumidor, seja o ovo, seja o pintinho. “A baixa qualidade de casca faz com que o ovo tenha uma baixa qualidade interna também”.



Na produção de ovos comerciais, a casca do ovo precisa estar resistente para que não trinque ao rolar na gaiola. Ao ser processado, o ovo passa por uma máquina classificadora, o que também pode afetar a sua integridade. Na sequência, embalagem e empilhamento das bandejas para enviar ao mercado também exigem resistência. “A casca desse ovo precisa suportar todo esse processo até chegar à gôndola do mercado”, ressalta.



De forma geral, a receita para aves saudáveis e produtivas segue a mesma linha nutricional. O produtor, seja de ovos férteis ou de ovos comerciais, precisa estar atento à qualidade da dieta oferecida, especialmente, em se tratando de cálcio e fósforo, indispensáveis para a produção e a qualidade dos ovos, desde que observada a quantidade e relação entre eles na composição da ração. O acompanhamento de um profissional da área é fundamental para garantir o desempenho zootécnico das aves.


Compartilhe:


  • Arquivo para download port

  • Cadastre o seu e-mail e receba
    novidades e informativos