0
PÁGINA INICIAL / ELO / Projeto detalhado: fundamental na armazenagem

Projeto detalhado: fundamental na armazenagem

Projeto detalhado: fundamental na armazenagem

Planejamento e orientação técnica são chaves para o sucesso

 

A produção de grãos brasileira segue sua série de altos níveis de produtividade.

 

De acordo com dados da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), a safra 2019/2020 vem confirmando o crescimento da produção, estimada em 250,5 milhões de toneladas, 3,5% ou 8,5 milhões de toneladas superior ao colhido em 2018/19.


Existe disponibilidade de tecnologia na área de armazenagem no país, propiciando ao produtor uma vasta gama de soluções para o melhor investimento no seu negócio. Com armazenagem própria, a decisão sobre o melhor momento do mercado para negociar a produção está na mão do agricultor. Esse é apenas um dos benefícios de se ter uma estrutura armazenadora em sua unidade.

 

NÍVEL FAZENDA
O engenheiro agrícola Ederson Tibola chama a atenção de que, em algumas regiões do país, a armazenagem própria chega a ser de fundamental importância, inclusive para viabilizar a atividade. Ele, que é auditor de unidades armazenadoras de grãos e consultor especialista na área, reforça que não faz sentido ter altas produtividades e não acondicionar o grão para garantir sua qualidade. “Tão importante quanto produzir é armazenar com segurança”, enfatiza.

 

Entre as vantagens em investir em um silo na propriedade, além de ter o controle sobre o melhor momento de comercializar, o especialista destaca ainda a possibilidade de reduzir o período da safra, podendo colher o grão mais úmido, proporcionando uma janela de safrinha maior. Também a carga horária maior otimiza a utilização das máquinas. A armazenagem na fazenda, reduz drasticamente as perdas no campo por não conseguir colher por excesso de umidade, elimina as taxas de padronização, retém os subprodutos do processo e diminui o custo com frete. “Isso tudo potencializa os resultados.”

 

Tibola alerta que quando o produtor tem interesse em investir em um sistema de armazenagem na fazenda, a primeira coisa a fazer é procurar o suporte técnico de alguém que conheça projetos, equipamentos, a região e as oportunidades que esse investimento pode trazer. Um plano de negócio e um estudo de viabilidade completam o pacote de necessidades para definir corretamente o projeto e seu escopo.

 

A estrutura precisa ser bem dimensionada, com equipamentos que atendam as necessidades do negócio, considerando o local onde será implantada, com estudo de solo, análise do acesso à energia e logística. “O produtor precisa estar atento às oportunidades de financiamento a custo baixo e às questões políticas da região. Isso tudo contribui para ter sucesso na implantação de um sistema de armazenagem de grãos”, conclui.

 

NÍVEL INDUSTRIAL
Os cuidados para manter a qualidade de grãos para fabricação de ração ou para armazenagem na fazenda são os mesmos. Porém o consultor Rogério Afonso ressalta que quando se tem um problema grave na armazenagem do grão para ração, arrisca-se um plantel enorme de animais. “Na fábrica de ração, é fundamental a classificação adequada dos grãos para que não aconteçam problemas sanitários”, afirma.

 

Rogério conta que, antigamente, as fábricas de ração operavam com silos pequenos, buscando grãos de armazenadoras próprias. Evoluíram para estruturas maiores, com um local na planta destinado a silos de consumo com estoque regulador. Hoje em dia, as fábricas de ração são verdadeiros complexos, com unidades de grãos anexas à produção, sendo que a unidade armazenadora principal conta com os mesmos equipamentos de uma armazenagem convencional de fazenda. “A diferença está que se tomam cuidados maiores com a resistência de chapa de transportadores, para que aguentem a pressão de trabalho do ano inteiro, 24 horas por dia.”

 

O consultor chama a atenção do produtor para um fator importante na hora do orçamento: a especificação técnica. Ele considera que para o nível fazenda básico, os pacotes prontos que as empresas oferecem normalmente são suficientes. Porém, para quem vai trabalhar com capacidades de secagem acima de 2 mil toneladas por dia, armazenagem acima de 30 mil toneladas ou anexas a processos como as fábricas de ração, é fundamental o desenvolvimento de um anteprojeto pelo cliente com as especificações técnicas necessárias. “Dessa forma, é possível estabelecer um nivelamento entre os fabricantes, para que todos ofereçam os mesmos itens, tipos de equipamentos, velocidades aplicadas, nível de automação, promovendo uma concorrência comercial mais justa”, completa.

 

Compartilhe:


Cadastre o seu e-mail e receba
novidades e informativos